terça-feira, 12 de outubro de 2010

A Partitura de Orfeu (ou Tocarei todas as canções)


Para Laís Rabelo

Tocarei todas as canções que peças,
mesmo que, silente, te desfaças.
Mesmo que, no descalço do amar,
o chão chacoalhe seixos da lonjura.

Tocarei todas as canções que peças,
ainda que mistério o acorde de teu peito,
ecoado na harmonia de tímidos olhos.

Tocarei todas as canções que peças,
mesmo que a mim nada peças;
teu silêncio – prenhe da maior ária –
alvora o universo que, mudo,
orquestra meu frágil canto.

Tocarei todas as canções que peças,
mesmo que a outros te dirijas.
Tu a outros arpejas notas que,
em mortos vibratos, cadentes,
dissonam tua dormida voz.

Tocarei todas as canções que peças,
mesmo que às estrelas eu toque,
rompendo o vácuo, tal trágico maestro
a romper a infinda fenda da surda súplica.

Tocarei todas as canções que peças
– as que não pedires, as que sonhares –
quando, em coro, valsas saírem do teu sorriso,
do teu gesto a reger o suave som da ternura.

Tocarei, sim, todas as canções que peças
mesmo que, num mudo Um-dia,
não mais careças que eu me dedilhe
na (ilegível) partitura de teu (en)cantar.




8 comentários:

  1. Amigo, você é magistral, seja em poesia, seja em prosa. Nossa literatura ainda está bem representada.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, muito mesmo. =]

    ResponderExcluir
  3. Só pelo título eu sabia ser bom

    ResponderExcluir
  4. concordo com Joyce, absolutamente despedaçadora...

    ResponderExcluir
  5. "quando valsas saírem so teu sorriso..." muito lindo, querido, muito bom.

    ResponderExcluir