segunda-feira, 16 de abril de 2007

6:45


Lembrei daquela sala de aula com uma cadeira ao lado da janela que servia para me recordar das coisas a cada aula chata. A sala vazia, tão costumeira quando se chega cedo demais no colégio, agora tomou vida. Aquela antiga sala não era vazia. Por mais que chegasse cedo (encontrando a sala fechada e sem ar condicionado ligado), ela não estava vazia. Havia uma infinidade de momentos nela. Para cada azulejo, para cada cadeira e para cada resto de giz no chão, havia uma história. Havia vida em tudo naquela sala. Com o passar dos minutos, a sala ia ganhando pessoas. Era como se cada um ganhasse mais vida ao entrar naquela sala. Os lugares vazios possuíam uma vida própria, assim como as pessoas, claro. Mas da união desses nascia uma entidade, que se guarda por todo o tempo. Antes, a sala só era gigante apenas para alguém que ia apresentar algum trabalho para toda a turma. Mas agora ela é muito maior. As lembranças estendem até um ponto que olhos não enxergam. Vêm pessoas, cadeiras, janelas, tudo isso numa confusão de imagens. Confusão é olhar outras salas agora. Espaços vazios. Completamente vazios. As pessoas parecem desencarnadas dessas novas salas. Também estou aqui. Essa sala pode sim ter vida, mas não vejo isso. Deixei a alma naquela outra sala, de cadeiras azuis, com uma janela que me distraia quando o quadro me cansava. Agora, o que me sobra é olhar uma outra janela (na sala que estou há uma janela, mas não aquela) e tentar ver o que eu via na minha antiga sala. Na janela não há vida. Muito menos nas pessoas. Apenas estão aqui. Não vivem aqui. Talvez elas não queiram. Ou sou eu quem não quer viver nessa sala. Minha sala antiga era parte de minha vida. Agora sua porta se fechou. Não posso entrar mais nela. Mas ainda vejo o que aquela velha sala me trouxe pela sua janela.


10 comentários:

  1. Esses tempos você está nostálgico, saudosista...
    como eu sou sempre.
    Você me lembrou daquela velha sala, com as cadeiras azuis.
    Aquele velho quadro negro(que por sinal era verde), aquelas pessoas...sim, havia vida naquele lugar mesmo quando estava vazio. Hoje deve haver só recordações, recordações de um tempo maravilhoso, de risasdas e sermões. Ah...eu faria tudo pra poder ter por apenas 1 segundo que seja aquela sala com aquelas cadeiras azuis...e juntamente com ela, aquelas pessoas que deram vida àquele lugar, principalmente uma companhia que me apareceu uma vez com a bendita camisa do Iron.
    :*

    ResponderExcluir
  2. Eu já tava melhorando da minha nostalgia permanente e vem você com essa foto assim em P&B e esse texto que arrasa qualquer um! Claro que me deixou com os olhos cheios d'água, né?! Sacanagem!! rss

    Sem palavras.. aquela época foi única! Às vezes adoro lembrar e dar muita risada! Mas às vezes eu prefiro nem pensar.. só de saber que nada vai ser como antes fico triste!
    Mas viver é isso.. tenho que parar de ser saudosista!
    Aliás.. TEMOS que parar, né? E temos que nos encontrar também.. pra matar a saudade! Opa.. lá vou eu falar em saudade de novo... =)

    Adoro você! Beijo!!

    ResponderExcluir
  3. saiiiiiiii inimigo !!!!!
    aheuaheiae

    ResponderExcluir
  4. E eu que nao gostava de aula...
    E eu que nao gost(o)-ava de acorda cedo...

    mas me aguardem!! me aguardem

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir