domingo, 9 de maio de 2010

"Intacto"




Não fizeram grandes planos ou fugas homéricas. Ao menos marcaram pra sair. Num banco, ao som de folhas, pássaros e serrotes sanfonando numa obra inacabada, sentaram-se. Nem perguntas ou risadas. Estavam agora acesos por outra inocência, desajeitada e perdida no infinito dos desejos. No escorregar da timidez, os olhos encontravam o chão, pernas a tremer e rostos. E, repousando-se um no outro, o silêncio do agora, ecoando o calor dos singelos carinhos.


7 comentários:

  1. Esse mininu é uma potença. Ficou muito bonitão esse. A música ainda vou ouvir, mas o texto tá "encantador", com o perdão da viadagem do adjetivo =P

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto principalmente dessa parte.

    "E, repousando-se um no outro, o silêncio do agora, ecoando o calor dos singelos carinhos."

    ResponderExcluir