domingo, 23 de maio de 2010

Aguarde um momento



No olhar perdido, escalando paredes e tetos e buscando um eco numa linha muda, a procura do júbilo no happy end do roteiro pré-moldado e parado em silêncio e devaneio. Nem música ou gravação: o inesperado valsa ora com a esperança, ora com a impaciência – irmãs fratricidas –, desconcertando o homem no calar-se da linha. Ponteiros, girando na tontura do tempo, tornam a dança cada vez mais veloz. O braço já se cansa e a orelha insistentemente coça. Mas outra mão dá apoio. Outros ouvidos se agoniam na mudez, fronteira de duas vozes. E um fio interminável costura tatos na espera do toque, na espera de sussurros.



6 comentários:

  1. concertando....desconcertando desconcertos desconcertados...as vezes parece que está tudo fora de lugar...

    "segura na mão deus..." hauhauiahui ^^ te adoro.

    ResponderExcluir
  2. "O amor comeu até os dias ainda não anunciados nas folhinhas. Comeu os minutos de adiantamento de meu relógio, os anos que as linhas de minha mão asseguravam. Comeu o futuro grande atleta, o futuro grande poeta. Comeu as futuras viagens em volta da terra, as futuras estantes em volta da sala.

    O amor comeu minha paz e minha guerra. Meu dia e minha noite. Meu inverno e meu verão. Comeu meu silêncio, minha dor de cabeça, meu medo da morte"

    ResponderExcluir
  3. Um único querer deixa que os momentos façam eternidade nas nossas vidas. Abs meu caro!

    ResponderExcluir