quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Soneto* do sol perdido


O nome correto da música é "Luz da Aurora"


“Uma mulher é como a própria Lua:
Tão linda que só espalha sofrimento”
Vinicius de Moraes

Chorei. E, enquanto lágrimas eu vertia,
pálpebras turvavam duras a luz.
Erma a mão secava a perda na face,
sentindo um peito no bater, vazio.

Tua boca demolia a Babel erguida
no absurdo de desejos, a ecoar,
no páramo róseo, a alta serenata
da volúpia queda no calmo azul.

Pois o astro afundava dentre dois corpos –
juntos, distantes – quando um outro brilho
fundava a noite em minha triste praia.

eras tu: sol indócil, impossível,
plantando auroras nas areias outras.
E em mim, náufraga, te punhas, silente.


* É um esboço de soneto, sem rimas e com problemas na métrica. Consertarei...
Um dia.

6 comentários:

  1. Parabéns, Pitta, pelo soneto. Pela mensagem, pelas imagens....

    ResponderExcluir
  2. Oi Pita,
    Como prometido estou escrevendo, aqui é Francine (da UFBa).
    Gosto do seu blog, já vim aqui antes (rs).
    Gostaria que desse uma olhada no meu e se gostasse pudesse seguir.
    http://tangoscombaudelaire.blogspot.com/ e otangodebaudelaire.blogspot.com (se vc for no último vai entender pq dois).
    Um abraço e um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Olá meu querido amigo Alex Pitta, que ótimo vir a tuas páginas de poesia. Melhor ainda que há um soneto na postagem. O soneto é a carta de identidade do poeta, no dizer de Otto Lara Resende, pelo seu ritmo holístico e pela capacidade de síntese em que os 14 versos possuem, como em nehum outro essa capacidade.

    Sua imagética é muitissimo boa, elevada, lírica e moderna. É um talento que nasce para ser algo além, além da maviosidade da língua e do verbo. Formalmente o soneto não segue a um determinada uniformização ritmica, ocorrendo alguns versos quebrados. Mas há alguns versos decassílabos - heróicos e sáficos - permeando o poema.

    Parabéns, um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Admito que errei na métrica. Era, inclusive, para avisar, no texto, que este foi meu primeiro soneto. Valeu pelo aviso, Paulo! =D

    ResponderExcluir
  5. Ando acompanhando seu blog, assim como as suas belas poesias.
    Inevitável não comentar os seus versos cortantes.
    Parabéns e fico feliz pelo amigo POETA.

    ResponderExcluir