sábado, 20 de novembro de 2010

Talvez deva eu aprender com o instante

"A Eternidade é muito longa.
E dentro dela tu te moves, eterno."

Cecília Meireles

Talvez deva eu aprender com o instante

o que deveras falso se eterniza ausente
e findar a passada erma em obscura trilha.
Porém errante e incauto insisto – des(a)tino.

Os passos, instantes de descompassado solo,
calçam as pegadas do etéreo urdir:
pulsante e vaga, a ponte ergue-se rota
e o incerto sopra a derradeira queda.

O instante é tábua frouxa da trágica
ponte, que distante me faz do outro lado.
E, errante, a caminhada persiste, em si,
silente e tímida, em temerosos embalos.

Mas (per)sigo. Que cada pisar seja lato campo
de fofa terra; que cada andar seja a breve brisa
da fatal queda, esquecida e vivida no voo
de pés que de calos elevam-se ao Eterno.



2 comentários:

  1. Confesso que eu estava procurando algo para ler neste fim de noite...
    E deparei-me com seu poema.
    Simplesmente de mais!
    *-*

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. the nineteenth aaa grade replica watches century, when the importance of synchronizing maneuvres during war without luxury breitling replica potentially revealing the plan to the enemy through signalling was increasingly recognized. replica hermes handbags store It was clear that using pocket watches while in the heat of battle or while louis vuitton replica handbag mounted on a horse was impractical, so officers began to strap swiss replica watches the watches.

    ResponderExcluir